sábado, 12 de abril de 2008

Gosto de carne

Trava-me à boca uma tal saliva amarga resto do teu beijo, angústias relembradas! Dissolve-me qualquer fastio e eu acho que é doentio lembrar-me de lembrar-te. Atraem-me tantas outras carnes, as que quero, as que nem posso mas tudo n’alma me alvoroça e rogo ao sentimento tê-las e no fim de tudo eu vejo estrelas saindo do meu peito e enchendo as noites dos meus versos.

5 comentários:

Ricardo Rayol disse...

as lembranças amargas sempre travam.

mas não se apegue a elas.

Ricardo Rayol disse...

não se prenda as lembranças

henke disse...

"saudade" a mistura dos sentimentos de perda, distância e amor!

Amaral disse...

Desejo a todos os que tiveram a paciência de me ler ao longo de mais de três anos, um eterno momento de felicidade nas vossas vidas terrenas e que, cedo, entendam no vosso coração o porquê da dádiva que foi experienciarem a Vida desta forma...
Na certeza de que o Deus do vosso entendimento falar-vos-à sempre na voz da vossa consciência!
OBRIGADO!!!
(Amaral Nascimento)

Rui Carlo disse...

Pudera eu contar tuas estrelas e enxugar tuas águas salgadas que vertem de teus olhos sorridentes de menina... não estou longe, nem perto, mas estou